Transfusão – Casa Guilherme de Almeida

logo-transfusao-2012

De 13 a 16 de setembro de 2012

Curadoria: 
Marcelo Tápia e Simone Homem de Mello

Com o evento TRANSFUSÃO, a Casa Guilherme de Almeida – Centro de Estudos de Tradução Literária promove um intercâmbio entre autores e tradutores brasileiros e estrangeiros, a fim de propagar, junto a um público mais amplo e diversificado, produções e reflexões atuais nessa área de criação. A ideia é apresentar diferentes concepções da atividade tradutória e discutir a diversidade de procedimentos possíveis diante do desafio de transferir (ou “transfundir”) uma obra literária para outra língua.

A segunda edição de TRANSFUSÃO destaca a tradução entre línguas ibéricas, abordando a falácia da similaridade na tradução de textos de línguas românicas próximas ao português, como o espanhol, o galego e o catalão. Nesse contexto, o Encontro de Tradutores da Casa Guilherme de Almeida criou uma interseção com o Colóquio em homenagem a Carolina Michaëlis de Vasconcelos, organizado pela Cátedra de Estudos Galegos da Faculdade de Letras da Universidade de São Paulo, de 11 a 13 de setembro de 2012. Parte da programação do Colóquio – dedicado a uma romanista alemã que contribuiu de forma decisiva para a Filologia de línguas ibéricas, em especial a do galego-português – ocorrerá na Casa Guilherme de Almeida, como atividade preliminar ao Encontro de Tradutores.  Uma mostra biobibliográfica de Carolina Michaëlis, em suporte eletrônico, remeterá à exposição realizada na biblioteca da Faculdade de Letras da USP sob curadoria da Prof. Maria Manuela Golveia Delille, da Universidade de Coimbra.

As traduções, para outras línguas, de um clássico brasileiro como Machado de Assis, ele mesmo tradutor, constitui outro destaque temático desta segunda edição de TRANSFUSÃO, bem como a concepção de autoria aplicada à tradução literária, uma questão com implicações teóricas e jurídicas relevantes.

O Encontro também incluirá uma mostra de obras do acervo bibliográfico da Casa Guilherme de Almeida, em especial livros por ele traduzidos e anotados para fins de tradução. O Centro de Estudos de Tradução Literária apresentará diversos projetos de publicação em curso, muitos dos quais referentes à obra de Guilherme de Almeida, além de estudos sobre tradução e obras traduzidas nas oficinas da Casa Guilherme de Almeida.

Realizado pela primeira vez em 2011, o Encontro de Tradutores da Casa Guilherme de Almeida deriva seu nome – TRANSFUSÃO – de uma das diversas designações que o tradutor Guilherme de Almeida atribuiu a essa atividade literária. Nas “Notas” de As flores das “Flores do mal” de Charles Baudelaire (1944), antologia de poemas por ele selecionados e traduzidos, Guilherme destaca – entre outros – o termo “transfusão”: “o uso corrente já não separa [o termo] da ideia de sangue. Transfusão do sangue: revivificação de um organismo pela infiltração de um sangue alheio, mas de ‘tipo’ igual. Uma língua, uma poesia reabastecendo-se da seiva da outra, análoga, para mais e melhor se afirmar.”

As inscrições para o TRANSFUSÃO 2012 podem ser feitas pelo e-mail casaguilhermedealmeida@gmail.com ou pelos telefones (11) 3672-1391 ou (11) 3673-1883. A participação é gratuita.

PROGRAMAÇÃO

Quinta-feira, 13 de setembro

Exposição
TRADUÇÕES & VERSÕES: DESTAQUES DO ACERVO
Motivada pela ocasião do TRANSFUSÃO 2012, a Casa Guilherme de Almeida realiza exposição de edições de seu acervo bibliográfico, composta de obras traduzidas ao português e outras vertidas do nosso a diversos idiomas. Aberta para visitação a partir das 9h.

Programação de encerramento do Colóquio em Homenagem a Carolina Michaëlis de Vasconcelos
O evento realizado na USP desde o dia 11 de setembro encerra-se na Casa Guilherme de Almeida, com programação preliminar ao TRANSFUSÃO 2012:

Mesa-redonda, das 9h às 10h30
EM TORNO DO CANCIONEIRO DA AJUDA
Com Mariña Arbor Aldea (Santiago de Compostela) e Simone Homem de Mello (São Paulo).

Conferência, das 11h às 12h
A CARTA DE PERO VAZ DE CAMINHA NA ATUALIZAÇÃO LINGUÍSTICA DE D. CAROLINA MICHAËLIS DE VASCONCELOS
Por Evanildo Bechara (Rio de Janeiro).

Almoço de confraternização, 12h15 ÀS 13h15

Apresentação, das 13h30 às 14h
SOBRE O CENTRO DE ESTUDOS DE TRADUÇÃO LITERÁRIA E O “TRANSFUSÃO 2012”
Com Marcelo Tápia (São Paulo) e  Simone Homem de Mello (São Paulo).

Mesa-redonda, a partir das 14h
AS REFERÊNCIAS GALEGO-PORTUGUESAS NA OBRA DE GUILHERME DE ALMEIDA
Por Maria Isabel Morán Cabanas (Santiago de Compostela), Ulisses Infante (Pato Branco / PR) e Marcelo Tápia.
TRANSFUSÃO 2012
II ENCONTRO DE TRADUTORES DA CASA GUILHERME DE ALMEIDA

Recepção de inscritos, das 18h às 18h45

Abertura oficial, às 19h00
ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES
Representantes da Secretaria de Estado da Cultura e da Poiesis – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura abrem o evento, seguindo-se a apresentação do programa do Encontro pelos curadores, da Casa Guilherme de Almeida, e a breve apresentação lítero-musical “Sob o signo da viagem”, por Marcelo Tápia (voz), Diego Domingos de Sá Lisboa (flauta) e Matheus Motta (violão).

Palestra inaugural, das 20h às 21h
QUANDO A TRADUÇÃO É MELHOR QUE O ORIGINAL
Por Cyril Aslanov (Jerusalém)
A palestra aborda a possibilidade de uma tradução contribuir para a difusão de um texto literário e ressaltar sua relevância: a apropriação da obra traduzida e sua total reelaboração na língua-alvo pode culminar na valorização do original. Essa tendência de apropriação do texto pela tradução manifesta-se, por exemplo, nas recriações de poemas de Fernando Pessoa por Paul Celan, tomadas, entre outras, como referência.

Coquetel de abertura, das 21h às 22h.

Sexta-feira, 14 de setembro
TRADUÇÃO ENTRE LÍNGUAS IBÉRICAS

Palestra, das 10h30 às 12h
ALEJO CARPENTIER EM PORTUGUÊS: QUESTÕES DE TRADUÇÃO E INFORMAÇÃO ESTÉTICA
Por Marcelo Tápia 
O tradutor dos romances Os passos perdidos e O reino deste mundo, do cubano Alejo Carpentier, tratará da dimensão estética dos textos do autor, abordando a presença da musicalidade e da poesia em sua obra. Para tanto, utilizará fragmentos de textos originais e em sua tradução ao português, que servirão de referência para discussão de questões teóricas relacionadas à tradução literária.

Mesa-redonda, das 14h às 16h
A FALÁCIA DA SIMILARIDADE: TRADUÇÃO ENTRE LÍNGUAS IBÉRICAS
Com Horacio Costa (São Paulo), Burghard Baltrusch (Vigo) e Ronald Polito (Juiz de Fora)
A mesa abordará a prática da tradução de autores de línguas ibero-americanas para o português. Nesse contexto, indagará o significado da tradução de autores mexicanos no contexto da poesia contemporânea brasileira e a dificuldade de sua focalização, além de fazer um breve histórico das traduções da literatura catalã no Brasil e apontar as principais dificuldades de traduzir desse idioma. A relação da língua galega com a portuguesa, passível de definições pouco consensuais, também será tema desta mesa.

Mesa-redonda, das 16h30 às 18h
TRADUÇÃO DE LITERATURA ÁRABE MEDIEVAL DA PENÍNSULA IBÉRICA
Com Mamede Mustafá Jarouche (São Paulo) e Michel Sleiman (São Paulo)
A especificidade da literatura árabe produzida durante a Idade Média na Península Ibérica e os desafios de sua tradução para os leitores brasileiros de hoje será tema de uma mesa integrada por especialistas dessa literatura e desse período.

Mesa-redonda, das 19h às 20h30
O “PORTUNHOL SELVAGEM” E O HIBRIDISMO IBERO-AMERICANO
Com Douglas Diegues (Ponta Porã – MS) e Myriam Ávila (Belo Horizonte)
A proximidade entre as línguas ibero-americanas não suscita apenas dilemas tradutórios, mas também dá margem à formação de amálgamas linguísticos ou idiomas híbridos de grande potencial literário. Entre essas manifestações de hibridismo linguístico ibero-americano, será destacado o Portunhol Selvagem, um movimento de grande repercussão e ainda em atividade.

Sábado, 15 de setembro
MACHADO DE ASSIS EM TRADUÇÃO

Palestra, das 10h30 às 12h
“A CARTOMANTE”, DE MACHADO DE ASSIS, EM CÓDIGO DE GAME
Por Luiz Carneiro (São Paulo)
Dentro da programação da Casa Guilherme de Almeida, o palestrante ministrou, em 2010, um curso visando à criação de protótipos de games com base no conto “A cartomante”, integrante da coletânea Várias Histórias (1896), de Machado de Assis. A partir do relato dessa experiência, serão feitas considerações sobre a transposição de textos literários para os meios digitais, com a exploração paralela de conteúdos intersemióticos de alguns games atuais e das possibilidades de composição de narrativas transmídia.

Palestra, das 14h às 14h30h
A TRADUÇÃO E A RECEPÇÃO INTERNACIONAL DA OBRA DE MACHADO DE ASSIS – UM BREVE HISTÓRICO 
Por Hélio Guimarães (São Paulo)
Um panorama do percurso de Machado de Assis em outros idiomas e países, por meio das traduções de suas obras, será a tônica desta palestra introdutória aos testemunhos de dois dos principais tradutores de Machado de Assis, John Gledson e Berthold Zilly.

Palestra, das 14h30 às 15h30
TRADUZIR MACHADO PARA O INGLÊS
Por John Gledson (Liverpool)
No mundo de língua inglesa, Machado de Assis não tem nem a reputação, nem a repercussão que deveria ter. Esta conferência buscará possíveis explicações para esse fenômeno. A partir de duas traduções feitas por ele mesmo, Dom Casmurro e uma antologia de vinte contos intitulada A Chapter of Hats, o palestrante analisará exemplos textuais concretos, comparando suas soluções às de outros autores.

Palestra, das 16h às 17h
MEMORIAL DE AIRES EM ALEMÃO: DIÁRIO DA DESPEDIDA
Por Berthold Zilly (Berlim / Florianópolis)
A última obra de Machado de Assis, Memorial de Aires (1908), será focalizada por seu tradutor à língua alemã. A palestra também abordará aspectos textuais relevantes para o processo de tradução do romance machadiano para esse idioma.

Mesa-redonda, 18h
MACHADO TRADUZIDO
Com Berthold Zilly, Hélio Guimarães e John Gledson 
Os participantes debaterão questões levantadas em suas palestras anteriores, num diálogo em torno das dificuldades de transplantar o complexo e específico universo machadiano para outras culturas.

Domingo, 16 de setembro
TRADUÇÃO LITERÁRIA COMO AUTORIA

Mesa-redonda, das 10h30 às 12h
DIREITOS AUTORAIS DO TRADUTOR
Com Denise Bottmann (Registro – SP) e Luciana Arruda (São Paulo) 
Até que ponto se respeitam, na prática, os direitos autorais do tradutor, assegurados por lei, é uma questão que tem gerado discussões e poucos resultados concretos em prol dos tradutores profissionais. A importância da denúncia de abusos contra o trabalho do tradutor, como o plágio, por exemplo, será abordada paralelamente a questões conceituais e jurídicas que respaldam os tradutores na defesa de seus direitos.

Mesa-redonda, das 14h às 16h
O TRADUTOR COMO AUTOR
Com Contador Borges (São Paulo), Marcelo Tápia (São Paulo), Paulo Henriques Britto (Rio de Janeiro) e Simone Homem de Mello (São Paulo)
A mesa abordará as convergências entre os atos de criação de um escritor e de um tradutor e discutirá tanto a sua identificação indiferenciada como o completo desconhecimento da contribuição autoral do tradutor, na tentativa de definir o que singulariza a arte tradutória. Os poetas tradutores que integram essa mesa abordarão a questão sob pontos de vista diversos.

Pré-lançamentos, das 17h às 18h
EDIÇÕES DA CASA GUILHERME DE ALMEIDA
Anúncio de publicações planejadas pelo Centro de Estudos de Tradução Literária, com Marcelo Tápia, Alzira Allegro (São Paulo), Cyril Aslanov (Jerusalém), Simone Homem de Mello, Álvaro Faleiros (São Paulo). Como encerramento da programação, uma participação especial do tradutor Mário Laranjeira (São Paulo), que apresentará algumas de suas traduções de poesia de língua francesa.

PARA MAIS INFORMAÇÕES, ACESSE http://www.casaguilhermedealmeida.org.br/NewFiles/transfusao/transfusao-programacao-2012.html