• Aforismos Tradutórios!

    01. Posto que a tradução não proporciona reflexo tão fiel quanto o do cristal, seja, pois, tão rico quanto o da prata polida.

    02. A pena do tradutor é arma caprichosa e de perigo: resgata ou anula o Outro, conforme a intenção ou a habilidade de quem a manipula.

    03. Não basta a uma tradução ser honesta: ela deve parecer honesta.

    04. E se ham pois bem cantado em lingoa infiel, melior hei-de cantar em lingoa nostra.

    05. A rose is a rose is a rose… and by any other name would smell as sweet.

    06. A maldição de Babel trouxe consigo a bênção da polifonia.

    07. Feliz é o tradutor que, nas dobras do mais árido dos textos, encontra a volúpia que o inspira.

    08. A poesia é o que se perde na tradução… incompetente.

    09. Uma tradução sem mácula é como uma amor sem amantes suados: uma quimera.

    10. Zaratustra não falava alemão.

    11. Bem-humorados os tradutores: pois da troça que deles se faz extraem o galardão de seu ofício.

    12. Diferencia-se o tradutor técnico do literário pela cadência de sua prosa… em todo o mais, são irmãos gêmeos.

    13. Saboreio cada tabela bem diagramada tanto quanto cada hemistíquio bem traduzido: em linguagem, tudo pode ser arte.

    14. Um tradutor é um leitor desavergonhado.

    15. A despeito das análises de discurso e das gramáticas de texto, a realidade percebida pelo tradutor é que a tradução ainda é, em grande medida, uma atividade centrada na palavra. Explica-se: cada palavra contém em si a história e a virtualidade de infinitos textos.

    16. No traduzir, uma rima pode muito bem ser a grande solução.

    17. Ser e não ser… eis a resposta que a tradução nos propõe.

    18. Em tradução, a fidelidade revela e desnuda, a infidelidade oculta e apaga: assim, a fidelidade mostra-se devassa e a infidelidade faz-se pudica.

    19. Traduzir é dar seguimento ao ato de criação por outros meios.

    20. Viver é muito perigoso. Traduzir também o é.

    Compilação de Francis Henrik Aubert
    Publicado originalmente no boletim impresso Ipsis Litteris,
    Ano IV, Número 15, Verão 2004, ATPIESP.