•  PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

    Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes

    Departamento de Inglês

     Organização:

    Glória Regina Loreto Sampaio | Leila Cristina de Mello Darin

    Reynaldo José Pagura | Alzira Leite Vieira Allegro

    Apoio:

    Grupo de Pesquisa Estudos da Tradução e da Interpretação – ESTI

    Cadastrado no CNPq e Certificado pela PUC-SP

    Sábado, 19 de setembro de 2015 |  8h30 às 17h

    Campus Monte Alegre – Edifício Reitor Bandeira de Melo, Auditório 239

    Entrada franca.

    Inscrições a partir das 8h no local e data do evento.

    Haverá emissão de Certificados.

    PROGRAMAÇÃO

    PERÍODO MATUTINO

    8h45 – Abertura

    9h15 – 10h15 – Conferência:

    “Modernistas, Monteiro Lobato, Militares, Multinacionais e Machine Translation: a História da Tradução no Brasil no Século XX (e no começo do Século XXI)”.

    John Milton (FFLCH-USP)

    Resumo: Esta palestra descreve as correntes mais importantes da tradução no Brasil no século XX, analisa trabalhos feitos sobre a historiografia da tradução no século XX, e aponta lacunas em nossas pesquisas.

    Biodata: John Milton é Professor Titular na Universidade de São Paulo (USP), onde ensina Literatura Inglesa e Estudos de Tradução. Entre suas publicações estão O Poder da Tradução (1993) (reeditado como Tradução: Teoria e Prática, 1998 e 2010); e Agents of Translation (ed. com Paul Bandia) (2009). Traduziu Morte e Vida Severina, de João Cabral para o inglês (Death and Life of Severino, 2003). Com Alberto Marsicano traduziu para o português Keats (Nas Asas Invisíveis da Poesia, 1998), Wordsworth (O Olho Imóvel pela Força da Harmonia, 2007) e Shelley (Sementes Aladas, 2010).

    INTERVALO

    10h45 – 11h35 – Palestra:

    “Os desafios de traduzir as irmãs Brontë no Brasil”

    Solange Pinheiro (Pós-Doutoranda USP)

    Resumo: Esta apresentação visa discutir algumas questões da tradução da literatura inglesa do século XIX no Brasil do século XXI, tendo como corpus de pesquisa dois romances escritos pelas irmãs Brontë: Wuthering Heights (Emily Brontë, 1847) e Shirley (Charlotte Brontë, 1849). Considerando as particularidades do estilo de cada escritora e das respectivas obras, bem como as diferenças de divulgação no mercado editorial (mais de dez traduções de Wuthering Heights desde a década de 1930, e apenas uma de Shirley, por exemplo), serão discutidas questões relacionadas à presença do dialeto de Yorkshire nos dois romances e as estratégias para cada tradução, com o intuito de conservar, no texto em português, a presença da forma não padrão da língua.

    Biodata: Solange Pinheiro fez graduação em Letras e Tradutor/Intérprete no Centro Universitário Ibero-Americano; defendeu dissertação de mestrado na USP, na área de Estudos Linguísticos e Literários em Inglês, com uma proposta de tradução para o dialeto de Yorkshire em Wuthering Heights (2007), e tese de doutorado na USP, na área de Filologia e Língua Portuguesa, com uma análise das criações neológicas na obra em prosa de Ariano Suassuna (2011). Atualmente, faz pesquisa de pós-doutoramento no Programa de Estudos da Tradução, na USP, estudando a questão da tradução de línguas minoritárias em português, tendo como corpus a obra do escritor italiano contemporâneo Andrea Camilleri.

    INTERVALO

    PERÍODO VESPERTINO

    13h – 13h30 – Interlúdio Musical:

    “Quarteto de Flautas: Projeto Doce Harmonia”

    Instrumentistas:

    Biodata: Ana Carolina de Oliveira. Nascida em Uberlândia – MG. Iniciou seus estudos em Flauta Doce no Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Caparelli em Uberlândia, no ano de 1999 com a professora Alice Pereira Pacheco. Participou de vários Master Class e cursos diversos com renomados professores como: Karla Dias, Calimério Soares, Paulo da Mata, Cláudia Freixedas. Frequentou as oficinas realizadas nos “I,II,III – Encontros de Flauta Doce”, ministradas pela professora Cláudia Freixedas e “ IV Encontro de Flauta Doce” ministrado pelas professoras Larissa Camargo e Paula Calegari, realizados no Conservatório de Uberlândia.  Desde 2000 é integrante do Projeto Doce Harmonia, coordenado pelas professoras Alice Pereira Pacheco e Maria Tereza Borges Rezende, apresentando frequentemente de recitais em Escola, Seminários, Universidades, Empresas, Creches, Igreja, Teatros, etc.

    Biodata: Josiane Macedo Ferreira. Nascida em Uberlândia – MG. Iniciou seus estudos em Flauta Doce no Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Caparelli em Uberlândia no ano de 1999 com a professora Alice Pereira Pacheco. Participou de vários Master Class e cursos diversos com renomados professores como: Karla Dias, Calimério Soares, Paulo da Mata, Cláudia Freixedas. É integrante do Projeto Doce Harmonia, coordenado pelas professoras Alice Pereira Pacheco e Maria Tereza Borges Rezende, apresentando frequentemente de recitais em Escola, Seminários, Universidades, Empresas, Creches, Igreja, Teatros, etc, onde gravou cinco álbuns em estúdio, intitulados Sopro Clássico (2009), Aquarela Brasileira (2009), Flautas Sincopantes (2010), Canções Brasileiras (2012) e “Cirandas…” (2014).

    Biodata: Rafael Augusto da Silva. Iniciou seus estudos musicais em flauta doce no Conservatório Estadual de Uberlândia, onde concluiu no ano de 2007 o curso técnico profissionalizante em flauta doce. Foi aluno na classe do professor Dominique Vasseur no conservatório regional de Lille (França), onde estudou também fagote e conquistou diploma de ‘3ème niveau’. Além de instrumentista, atua como produtor musical, dedicando-se à organização de eventos, gravação em trilhas sonoras, cursos e concertos. É integrante do grupo de flautistas Doce Harmonia, ao lado do qual produziu e gravou cinco álbuns em estúdio, intitulados Sopro Clássico (2009), Aquarela Brasileira (2009), Flautas Sincopantes (2010), Canções Brasileiras (2012) e “Cirandas…” (2014). Ministra master classes de Flauta Doce em Uberlândia e em 2015 organizou a publicação de um livro de partituras para conjunto de flautas doces intitulado “Cirandas…”.

    Biodata: Thamyres Delfino Alves. Nascida em Uberlândia – MG. Iniciou seus estudos em Flauta Doce no Conservatório Estadual de Música Cora Pavan Caparelli em Uberlândia, no ano de 2004 com a professora Alice Pereira Pacheco, onde concluiu, em 2012, sua formação técnica em música. Participou de vários concursos tendo recebido muitos prêmios, inclusive 1° Lugar no IX Concurso Nacional de Piano Cora Pavan Capparelli categoria música de câmara com a premiação de uma gravação de DVD. Desde 2006 é integrante do Projeto Doce Harmonia, coordenado pelas professoras Alice Pereira Pacheco e Maria Tereza Borges Rezende, onde gravou o álbum em estúdio, intitulado “Cirandas…” (2014).

    PERÍODO VESPERTINO

    13h40 – 14h20 – Palestra:

    “Where are you, Scooby Doo ou Scooby Doo, cadê você? Entre línguas, variantes e outras questões de tradução e estilo”

    Ana Elvira Luciano Gebara  (Unicsul / FGV)

    Resumo: O estilo, segundo a Sociolinguística, está estreitamente relacionado às variantes, portanto, ao uso do léxico, das estruturas sintáticas e da camada sonora de forma a identificar um sujeito e seu grupo social. Esse conceito auxilia-nos a explicar muitas questões para aquele que precisa individualizar vozes e identidades em textos orais e escritos ligados a estratos sociais, etários, profissionais etc. O que fazer quando os sujeitos de que nos ocupamos estão na esfera artística, no nosso caso, dos desenhos animados? Nesta fala, buscamos problematizar o que faz o tradutor quando se depara com o longa de desenho animado Scooby Doo and the Loch Ness Monster e necessita preparar o material para dublagem e legendagem. Para essas tarefas, utilizaremos estudiosos da estilística e da estilística da tradução, como Martins (2003) e Olmi (2001), ao lado de estudiosos da Análise do Discurso como Maingueneau (2008,2013).

    Biodata: Ana Elvira Luciano Gebara é doutora pela FFLCH – USP, tendo como principais temas de pesquisa, o ensino de língua materna, os gêneros poéticos e os estudos estilísticos. Trabalha como professora de cursos de graduação na Universidade Cruzeiro do Sul (Letras) e na FGV – Direito SP; e como docente, orientadora e pesquisadora no Mestrado em Linguística da Unicsul.

    INTERVALO

    14h50 – 15h40 – Palestra Interativa:

    “A Legendagem da TV por assinatura no Brasil”

    Elaine Trindade (Uninove)

    Resumo: O processo da legendagem no Brasil que é adotado pelos canais pagos. Suas normas, técnicas e os desafios que os tradutores enfrentam durante esse processo.

    Biodata: Elaine Trindade é mestre em Linguística/Semiótica pela FFLCH. Tradutora com mais de 25 anos de experiência e mais de 1.700 títulos de filmes, séries e documentários traduzidos para legenda e dublagem para os principais canais de TV paga. É professora do curso de graduação Tradutor-Intérprete da Uninove. Ministra cursos de curta duração no CITRAT-USP de legendagem e dublagem há 10 anos.

    15h50 – 16h50 – Conferência:

    “O intérprete no século 21: requisitos, desafios e oportunidades”

    Jayme Costa Pinto (APIC)

    Resumo: A atuação do intérprete passa nos últimos tempos por mudanças importantes: um novo ambiente profissional se impõe e requer não só familiaridade  com a técnica aprendida na universidade, mas também habilidade para navegar em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e moldado por um cenário econômico de modo geral problemático. A apresentação buscará definir o que se espera do intérprete neste início de século e apontar horizontes para a superação desses desafios.

    Biodata: Jayme Costa Pinto é formado em geofísica pela Universidade de São Paulo (1989) e em tradução e interpretação pela Associação Alumni, em São Paulo (1988). Cursou ainda um programa de aperfeiçoamento para intérpretes no Monterey Institute of International Studies, na Califórnia (1998). Durante doze anos trabalhou na formação e no treinamento de tradutores e intérpretes, e é o atual presidente da APIC – Associação Profissional de Intérpretes de Conferência.

    17h – Encerramento